Adequação a Lei 11.638/07

O caminho para convergência contábil!

A lei 11.638/07 modifica a forma que apuramos os resultados das empresas, convergindo com a comunidade internacional.

A expansão dos mercados e a globalização da economia impuseram para as empresas a necessidade de elaboração de demonstrações contábeis baseadas em normas e critérios uniformes e homogêneos, de forma que os proprietários, os gestores, investidores e analistas financeiros de todo o mundo possam se utilizar de informações transparentes, confiáveis e comparáveis nos seus processos de tomadas de decisões.

Em setembro de 2009, o G-20, grupo das 20 nações mais industrializadas do mundo, prometeu apoiar um plano global envolvendo as normas contábeis, visando melhorar os fluxos de capitais e reduzir as arbitragens internacionais. Para o alcance dessas metas foi estabelecido como prazo o mês de Junho de 2011. No entanto, chegar a um consenso sobre algumas questões está se mostrando cada vez mais complicado.

Cada vez mais investidores estão à procura de informações financeiras de alta qualidade e acreditam que o uso de um padrão contábil internacional seja também uma oportunidade excelente de se realizar a comparação entre empresas de diversos setores globais.

Sob este ponto de vista, a possibilidade de adoção de um padrão contábil globalmente aceito aumentou o interesse das empresas brasileiras em compreender e aplicar os IFRS.

Quanto maior for o crescimento da demanda por informações financeiras com base nas normas IFRS, mais uniforme deverá se tornar o campo de atuação. Assim, será permitido que os investidores tenham uma perspectiva comparativa cada vez mais eficaz dos resultados financeiros de diversas empresas.

Entre os benefícios da adoção da padronização contábil global, que está em vigor no Brasil desde 1º de janeiro de 2010, estão a redução da complexidade para a análise das informações financeiras, maior transparência, comparabilidade e eficiência.

Esse movimento de convergência traz também uma série de desafios. No Brasil, a Lei número 11.638, de 2007, contribuiu para acelerar o processo de convergência entre as práticas contábeis adotadas no País até o dia 31 de dezembro de 2009 e as normas contábeis globais IFRS.

Os executivos das áreas contábil, fiscal e financeira, além das diferenças mensuráveis entre os dois conjuntos de normas, precisarão levar em conta alguns pontos importantes, entre os quais se destacam:

A adoção de padrões baseados em princípios exigirá uma mudança de mentalidade e de abordagem, pois os International Financial Reporting Standards têm menos regras e mais julgamento na contabilização de uma transação;

 É uma grande oportunidade de integrar-se à nova linguagem internacional da contabilidade, e favorecerá o entendimento das demonstrações financeiras por parte dos investidores, e dos órgãos reguladores nacionais e internacionais